sábado, 12 de junho de 2010

Rosas Brancas para Salomé



Estive hoje no espetáculo "Rosas Brancas para Salomé", em cartaz no Teatro do ator na praça Roosevelt em SP e seria injusto não usar deste espaço para comentar e divulgar.

A peça homenageia Salomé, uma de muitas artistas homossexuais que, apesar de possuirem imensurável talento, foram marginalizadas e até esquecidas.

Para muitos, o transformista, a drag queen e o travesti são apenas caricaturas. Algo parecido com o que se vende na TV e, por consequência, em peças, em revistas, em alguns filmes medíocres e etc. É também um tipo de preconceito imaginar e vender essa imagem parcial do gay. Felizmente, não é isso que a peça traz.

No espetáculo, a atuação de Salete Campari é capaz de atravessar o obstáculo da 'satirização homossexual' porque além de nos revelar a história biográfica de uma grande artista gay, a Salomé, nos inspira confiança pela própria vivência e dedicação de Salete.

No teatro, apenas umas duas dezenas de pessoas assistiam, mas nem por isso viram um espetáculo mal apresentado, sem vontade de crescer, aparecer e, o mais importante, oferecer algum tipo de ajuda. No caso, a entrada solicita 2 Kg de alimentos ou o preço módico de R$10. O alimento vai para a Casa Brenda Lee, que apóia e abriga portadores do vírus HIV que foram rejeitados por parentes e amigos.

Especialmente nesta noite, vi a Salete entregar o Prêmio que recebera de Cidadania em Respeito à Diversidade à diretora Nicole Puzzi. Foi emocionante. O prêmio, na verdade, foi merecidíssimo por todos os colaboradores do espetáculo. 'Merda' para todos.

Convido você, leitor, a também prestigiar esta obra, em cartaz toda sexta-feira às 21h. E, para dizimar alguns preconceitos, adianto que a peça não é dramática, você não sairá de lá chorando (não tanto quanto eu que lamentava pela presença tão escassa de público) tampouco é um espetáculo para te fazer morrer de rir. (Para esses, desenbolse aprox. R$40 e vá ouvir alguns palavrões). Descubra que o humor nem sempre está naquilo que é extremamente over, porque para ser gay, transformista ou drag queen, sofrer discriminação e ainda oferecer ajuda social (o que deve ser o papel do governo), é somente para aquele(a)s que nunca perdem o sorriso no rosto.

Rosas brancas para todos!

Danilo Roxette


________________________

Espetáculo "Rosas Brancas para Salomé"
Onde: Teatro do Ator
Praça Franklin Roosevelt, 172 [São Paulo-SP]
Todas as sextas às 21 horas
Ingresso: 2 kg de alimentos não perecíveis ou R$10,00.

2 comentários:

Serginho Tavares disse...

Parece ser uma boa peça mesmo!

Isabella Colaboradora disse...

Parabens ao criador do topico !